Jovens do United sem respeito por veteranos do Porto

Old Trafford, Manchester – 05-03-1997 – Quartos-de-final
Man. United
Man. United
May 22 Cantona 34 Giggs 61 Cole 80
4 - 0
Porto
Porto
Emoção constante

"Eu já estava no chão, mas consegui empurrar a bola para o fundo da baliza - o meu primeiro golo nas competições europeias. Brilhante." David May.

1996/97

• O Dortmund terminou a prova com nove vitórias em 11 partidas, tendo apenas perdido uma vez, ante o Club Atlético de Madrid. Nenhum outro vencedor da UEFA Champions League teve uma percentagem tão elevada de triunfos.

• A época 1996/97 trouxe a inovação da introdução da numeração definitiva dos plantéis, apesar do treinador do Rangers FC, Walter Smith, ter colocado os seus jogadores de um a 11 na primeira partida da fase de grupos, onde o emblema escocês perdeu fora por 3-0, ante o Grasshopper-Club.

• A competição teve o seu primeiro prolongamento numa eliminatória a duas mãos, com AFC Ajax e Club Atlético de Madrid a disputarem uns emocionantes quartos-de-final, com os holandeses, que contavam na altura com Dani, a seguirem em frente com um total de 4-3.

A reputação de Alex Ferguson e da sua dinastia no Manchester United FC foram baseados em noites como esta: desempenho ofensivo, destemido e agradável de assistir. O FC Porto atingiu os quartos-de-final depois de ter perdido apenas dois pontos num grupo que incluía o AC Milan, mas o gabarito de Ferguson não esmoreceu.

Sem jogadores como Roy Keane e Paul Scholes, a presença de David Beckham e Ryan Giggs nos flancos – com Eric Cantona, Andrew Cole e Ole Gunnar Solskjær também como titulares – deram o mote: O United queria dominar a eliminatória.

O cabeceamento portentoso de Cole ter-lhe-ia dado o início de jogo perfeito, não fosse a defesa vistosa de Hilário, a desviar a bola por cima, mas o United não demorou muito até inaugurar o marcador. Gary Pallister subiu mais alto e correspondeu a um cruzamento prometedor da esquerda, o guarda-redes do FC Porto deixou escapar a bola e David May reagiu rápido para converter a recarga.

De seguida, foi a vez da defesa visitante vacilar e Cantona aproveitou um mau alívio, antes de contornar Hilário de forma imperdoável. O intervalo não foi capaz de refrear o ímpeto dos anfitriões, que chegaram ao 3-0 à passagem da hora de jogo. Cantona esteve bem e voltou a brilhar, com um passe notável que deu origem ao golo da noite, com Cole a servir o endiabrado Giggs, que na passada disparou para o fundo das redes, na sequência de uma corrida imparável.

O irreverente No7 do United esteve no centro do quarto golo, assistindo Cole com um passe bem-medido que o avançado inglês concluiu com classe. Foi o final perfeito para aquilo que Ferguson descreveu como uma "exibição fantástica". A referência tinha sido estabelecida – Old Trafford viria a testemunhar mais noites como esta.

Estrelas

  • Cantona

    Jogador do século do Manchester United FC. O United não ganhava o campeonato há 25 anos quando o criativo chegou ao clube, em Novembro de 1992, e no entanto, "King Eric" saiu cinco anos depois com quatro títulos da Premier League e duas Taças de Inglaterra. Foi um bom retorno para os dois milhões despendidos por Alex Ferguson para contratar o irreverente francês ao Leeds United AFC.

  • Giggs

    Jogador mais titulado do futebol inglês, Ryan Giggs é o único futebolista com 12 títulos de campeão da Premier League. Veloz e altamente habilidoso extremo, estreou-se tanto pelo Manchester United como pelo País de Gales aos 17 anos, mas foi a sua longevidade que o fez destacar-se dos demais. Ultrapassou o recorde de Bobby Charlton de 758 jogos pelo United na final da UEFA Champions League de 2008. Os seus 22 anos ao serviço dos "Red Devils" trouxeram-lhe ainda quatro Taças de Inglaterra, quatro Taças da Liga e dois títulos da UEFA Champions League.

  • Zahovič

    Extremo-esquerdo talentoso com queda para o golo, Zahovič despontou ao serviço do FK Partizan antes de se mudar para o futebol português, primeiro para representar o Vitória de Guimarães e depois o FC Porto, pelo qual venceu três títulos de campeão. Curtas passagens por Olympiacos CFP e Valencia CF, ao serviço do qual perdeu a final da UEFA Champions League de 2001, no desempate por grandes penalidades, para o FC Bayern München, antecederam o regresso a Portugal para representar o Benfica, onde se sagrou campeão por mais uma vez. Zahovič apontou 35 golos em 80 jogos pela Eslovénia, marcas que constituem recordes do país.

O que aconteceu depois?

• Um empate a zero em Portugal garantiu o apuramento do United para as meias-finais da UEFA Champions League, onde foi eliminado pelo Borussia Dortmund, futuro vencedor, com um resultado total de 2-0.

• No entanto, a equipa de Alex Ferguson desfrutou de mais sucesso a nível interno, ao revalidar o título da Premier League – o quarto em cinco épocas.

• O FC Porto também recuperou do desaire europeu com a conquista da Liga portuguesa, pela quinta vez em seis anos, terminando a prova com mais 13 pontos que o Sporting.

• O irreverente Eric Cantona anunciou a sua retirada, aos 30 anos, no final da época, depois de ter atingido o estatuto de estrela em Old Trafford. Viria a ter uma carreira bem-sucedida como actor.

• Ferguson finalmente ergueu o troféu da UEFA Champions League em 1999, com o United a terminar um jejum de 31 anos pela conquista da Taça dos Clubes Campeões Europeus, com uma vitória por 2-1 sobre o FC Bayern München, alcançada em tempo de compensação.

Junte-se à conversa

  • © 1998-2014 UEFA . Todos os direitos reservados.
  • As palavras CHAMPIONS LEAGUE e UEFA CHAMPIONS LEAGUE, o logótipo e o troféu da UEFA Champions League e o logótipo da Final da UEFA Champions League estão protegidas por marcas registadas e/ou direitos de autor da UEFA. As referidas marcas registadas não podem ser utilizadas para qualquer fim comercial. A utilização do UEFA.com implica o seu acordo com os Termos e Condições, e com a Política de Privacidade.