Juventus resiste à pressão e apura-se

Stadio Olimpico, Roma – 22-05-1996 – Final
Ajax
Ajax
Litmanen 40
1 - 1
Juventus
  • Ravanelli 12
Juventus
Emoção constante

"Sinto arrepios quando me lembro desse golo. Faz parte da história da Champions League" - Fabrizio Ravanelli

1995/96

• A série de 19 jogos do AFC Ajax sem perder na UEFA Champions League terminou ante o Panathinaikos, em Março de 1996, com um tento perto do fim de Krzysztof Warzycha a significar uma derrota por 1-0 na meia-final.

• Mike Newell marcou um "hat-trick" em nove minutos, o mais rápido na história da UEFA Champions League, no encontro em que o Blackburn Rovers FC bateu o Rosenborg BK, por 4-1. Contudo, os campeões ingleses terminaram no último lugar do Grupo B.

• O FC Spartak Moskva venceu o grupo pela maior diferença de sempre, com os seis triunfos a permitirem à equipa russa terminar com mais 11 pontos que o segundo classificado, o Legia Warszawa. No entanto, o Spartak seria afastado pelos franceses do FC Nantes nos quartos-de-final.

"Esperámos muito tempo. Nunca considerámos realmente o triunfo de 1985 como uma vitória, devido ao que aconteceu em Heysel." Roberto Bettega, dirigente da Juventus, não teve dúvidas quanto ao significado do sucesso do clube na UEFA Champions League de 1995/96. A vitória sobre o Ajax, em Roma, foi um "verdadeiro" triunfo na Taça dos Clubes Campeões Europeus, mas não foi proeza fácil.

Começou suficientemente bem para a equipa italiana, com o Ajax a sofrer um ataque de nervos mais condizente com a juventude dos seus jogadores do que com o seu estatuto de detentor do troféu. Aos 12 minutos, cometeu um erro que saiu demasiado caro quando Frank de Boer mediu mal o tempo de salto a uma bola. Ao tentar remediar e com Edwin van der Sar entretanto fora de postes, Fabrizio Ravanelli surgiu rapidamente entre eles e interceptou a bola antes de rematar de ângulo bastante apertado.

Quanto muito, o golo da Juventus acalmou uma equipa do Ajax que perdera apenas um dos últimos 20 encontros para a prova. Os holandeses começaram a pressionar o adversário e tornaram-se particularmente ameaçadores através dos lances de bola parada. Foi mesmo necessária uma excelente defesa de Angelo Peruzzi para impedir Nwankwo Kanu de marcar, na sequência de um pontapé de canto algo confuso, mas, cinco minutos antes do intervalo, a Juventus foi punida por não ter conseguido aliviar a bola da sua zona defensiva.

Com Danny Blind a preparar-se para cobrar um livre directo de pé direito, acabou por ser Frank de Boer a avançar para a bola, batendo-a de pé esquerdo, o que levou Peruzzi, com pouca visibilidade, a sacudir a bola para a frente. Esta acabou por ficar à disposição de Jari Litmanen, que rematou a contar. A Juventus, como lhe competia, retomou a iniciativa do encontro e podia mesmo ter ganho a partida no tempo regulamentar, mas Gianluca Vialli acabou por rematar às malhas laterais quando parecia mais fácil de marcar.

Seguiu-se o prolongamento, que decorreu praticamente sem situações dignas de registo. No desempate por grandes penalidades, Edgar Davids e Sonny Silooy viram as suas tentativas pouco determinadas sacudidas por Peruzzi, ao passo que os comandados de Marcelo Lippi converteram as quatro tentativas, com o substituto Vladimir Jugović, vencedor da Taça dos Campeões em 1991 com o FK Crvena Zvezda, a selar o triunfo por 4-2. Os festejos da Juventus podiam, finalmente, começar.

Estrelas

  • Ravanelli

    A alcunha de Ravanelli de "Il Pena Bianca" (O Pena Branca) é uma referência ao seu cabelo e não a qualquer ligeireza na hora de marcar. Começou e terminou a carreira de 20 anos no clube da sua terra-natal, o AC Perugia, e, dos nove clubes que representou entretanto, o antigo internacional italiano está mais associado à Juventus, por quem venceu a Taça UEFA de 1993 e, três anos depois, marcou no triunfo sobre o AFC Ajax na final da UEFA Champions League. Ameaça demolidora no jogo aéreo, ajudou tanto a Juve como a S.S. Lazio a vencerem o "scudetto" e a Taça de Itália na mesma época.

  • Peruzzi

    Lesões e uma excelente fornada de guarda-redes durante os anos de 1990 e 2000 limitaram a carreira de Peruzzi na selecção italiana, mas, ainda assim, o guardião ganhou tudo o que havia para vencer ao serviço da Juventus. Baixo e compacto, o seu excelente sentido posicional fez com que se destacasse dos demais, pelo que teve um papel determinante na conquista de três "scudettos", da Taça de Itália, da Taça UEFA de 1993 e, é claro, da UEFA Champions League de 1996. Peruzzi foi igual a si próprio na final, tendo detido duas grandes penalidades do AFC Ajax no desempate por penalties. 

O que aconteceu depois?

• Esta foi a primeira de três finais da UEFA Champions League consecutivas para a Juventus, mas as duas seguintes terminaram em derrota. A conquista de títulos italianos consecutivos trouxe alguma forma de consolo.

• A Juventus fez duas grandes contratações no Verão de 1996: Christian Vieri e, por uma transferência no valor de cinco milhões de euros paga ao FC Girondins de Bordeaux, Zinédine Zidane. O francês deixaria o clube cinco anos depois, por 15 vezes essa verba.

• A Juventus seria a vencedora, de forma categórica, por um total de 6-2, quando as duas equipas se defrontaram nas meias-finais de 1996/97, mas perderia a final para o Borussia Dortmund, em cuja equipa brilhava agora Paulo Sousa.

• O AFC Ajax teve, em 1996/97, o seu pior desempenho no campeonato holandês em 32 anos, tendo terminado a Eredivisie na quarta posição e sido eliminado da Taça da Holanda na primeira eliminatória, pelo Heracles Almelo, então a militar no segundo escalão.

• Edwin van der Sar ingressou na Juventus em 1999, tendo rendido Angelo Peruzzi como titular e seguido as pisadas de Edgar Davids, que chegara a Turim dois anos antes, igualmente proveniente do Ajax.

Junte-se à conversa

  • © 1998-2014 UEFA . Todos os direitos reservados.
  • As palavras CHAMPIONS LEAGUE e UEFA CHAMPIONS LEAGUE, o logótipo e o troféu da UEFA Champions League e o logótipo da Final da UEFA Champions League estão protegidas por marcas registadas e/ou direitos de autor da UEFA. As referidas marcas registadas não podem ser utilizadas para qualquer fim comercial. A utilização do UEFA.com implica o seu acordo com os Termos e Condições, e com a Política de Privacidade.