Blomqvist brilha e IFK surpreende United

Ullevi, Gotemburgo – 23-11-1994 – Fase de grupos
Göteborg
Göteborg
Blomqvist 11 Erlingmark 65 Kåmark 72 (P)
3 - 1
Man. United
  • Hughes 64
Man. United
Mestres da táctica

"Tínhamo-nos qualificado como vencedores do grupo, quem poderia acreditar nisso quando se realizou o sorteio?" Jesper Blomqvist

1994/95

• Andriy Shevchenko deu-se a conhecer com um golo na sua estreia como titular na UEFA Champions League, mas não foi capaz de evitar a derrota do FC Dynamo Kyiv, por 4-1, frente ao FC Bayern München.

• Celestine Babayaro tornou-se no mais novo jogador de sempre da UEFA Champions League ao ser titular pelo RSC Anderlecht frente ao FC Steaua Bucureşti. Aos 37 minutos desse jogo, o nigeriano também se tornou no mais novo a ser expulso.

• O defesa do Benfica, Paulo Madeira, entrou para a história da UEFA Champions League por motivos indesejados, ao marcar o primeiro autogolo desde a reformulação da prova, no triunfo, em Lisboa, por 3-1, sobre o Anderlecht, em Setembro.

Os adeptos de futebol não são reconhecidos pelos seus poderes de profecias, mas os adeptos do IFK Göteborg cujo pano anunciava "Giggs é conversa, Blomqvist é acção" antes do encontro viriam a merecer algum crédito, mesmo que Ryan Giggs não tenha jogado. Afinal de contas, uma exibição portentosa de Jesper Blomqvist assegurou que o Manchester United FC, que chegara a Gotemburgo com as suas ambições no Grupo A por um fio, deixasse o Ullevi sem possibilidades de apuramento.

Não era suposto que a primeira presença de uma equipa inglesa na fase de grupos da UEFA Champions League terminasse dessa forma. O Manchester United começara de forma brilhante, batendo o IFK por 4-2 em Old Trafford, mas depois emperrou, após dois empates consecutivos e uma derrota por 4-0 no terreno do FC Barcelona. Três semanas depois, chegaram à Suécia determinados em acertar o passo, com o optimismo levantado pelo regresso do talismã Éric Cantona.

O IFK tinha no extremo-esquerdo Blomqvist o seu amuleto, um dos sete jogadores do clube que ajudara a Suécia a terminar o Mundial de 1994 na terceira posição. Sob a chuva que caía em Gotemburgo, cedo Blomqvist fez notar a sua presença, pois abriu o activo logo aos 11 minutos, justificando o porquê de os nórdicos liderarem o grupo. O facto de FC Barcelona e Galatasaray AŞ não terem conseguido qualquer ponto naquele estádio não acontecera por acaso.

Com tanto em jogo, o Manchester United regressou ao jogo e Mark Hughes empatou a meio da segunda parte. Contudo, era seria a noite de Blomqvist. No período de 60 segundos, o dianteiro de 20 anos servira Magnus Erlingmark para o 2-1 e, antes que os "red devils" conseguissem responder, Pontus Kåmark fez o 3-1 de grande penalidade, a punir uma falta sobre Blomqvist.

O IFK estava apurado com um jogo ainda por realizar. O empate 1-1 em Camp Nou conseguido duas semanas depois confirmou a eliminação dos ingleses, que se viram batidos pelo Barça na luta pelo segundo lugar. Alex Ferguson não esqueceria aquela noite, pois, dois anos mais tarde, contrataria Blomqvist para ser suplente de Giggs.

Estrelas

  • Blomqvist

    Uma série de lesões nos joelhos condicionaram a carreira de Blomqvist, que brilhou apenas esporadicamente - mas quando se apresentava em forma, o extremo-esquerdo brilhava sempre de forma intensa. Quatro vezes campeão na Suécia com o IFK Göteborg, representou o AC Milan e o Parma FC, antes de conquistar a "tripla" no Manchester United, em 1999. Não fossem as lesões e teria rendido certamente muito mais.

  • Cantona

    Foi o jogador do século do Manchester United FC. A formação inglesa não vencia o título há 25 anos quando o atleta chegou, em Novembro de 1992. "King Eric" saiu cinco épocas depois, com quatro campeonatos e duas Taças de Inglaterra. O United pagou dois milhões de euros ao Leeds United AFC pelo atacante francês e não se pôde queixar do retorno do investimento.

  • Beckham

    Desde que marcou um golo do meio-campo, Beckham afirmou-se como um médio de grande qualidade. Ganhou um espaço no coração dos ingleses, tendo somando mais de 100 internacionalizações pela selecção. Ajudou o Manchester United FC a vencer seis campeonatos, além da UEFA Champions League de 1999. Venceu ainda a Liga espanhola com o Real Madrid CF.

O que aconteceu depois?

• Após ter ganho o Grupo A, à frente do FC Barcelona, o IFK Göteborg perdeu no desempate por golos marcados fora de casa frente ao FC Bayern München nos quartos-de-final, mas esse viria a ser o ano do AFC Ajax, que derrotaria o AC Milan na final realizada em Viena, por 1-0.

• O Manchester United FC terminou o seu grupo no terceiro lugar, mas o seu tempo chegaria em 1999, quando uma equipa apresentando Jesper Blomqvist derrotaria o Bayern por 2-1 e terminaria com uma espera de 31 anos pelo mais sagrado troféu do futebol europeu.

• Dos suplentes do United nesse encontro, Gary Neville, David Beckham e Paul Scholes efectuaram mais de 100 jogos na UEFA Champions League, enquanto Nicky Butt actuou em 71 partidas. Dezoito meses depois, o guarda-redes Kevin Pilkington transferira-se para o Rochdale AFC.

• Em 1995/96, Neville, Beckham, Scholes e Butt eram todos titulares. O comentador televisivo e antigo defesa do Liverpool, Alan Hansen, disse que o United "não venceria nada com jovens" nesse ano, mas os "red devils" conquistariam o título da Premier League e em cinco dos sete anos seguintes.

• O domínio interno do IFK continuaria, uma vez que se sagraria campeão sueco em 1995 e 1996. Dois anos depois, terminaria a Liga sueca no oitavo lugar e teve de esperar até 2007 para conquistar o 18º campeonato.

Junte-se à conversa

  • © 1998-2014 UEFA . Todos os direitos reservados.
  • As palavras CHAMPIONS LEAGUE e UEFA CHAMPIONS LEAGUE, o logótipo e o troféu da UEFA Champions League e o logótipo da Final da UEFA Champions League estão protegidas por marcas registadas e/ou direitos de autor da UEFA. As referidas marcas registadas não podem ser utilizadas para qualquer fim comercial. A utilização do UEFA.com implica o seu acordo com os Termos e Condições, e com a Política de Privacidade.