Bremen surpreende Real e reaviva esperanças na fase de grupos

Weserstadion, Bremen – 28-11-2007 – Fase de grupos
Bremen
Bremen
Rosenberg 5 Sanogo 40 Hunt 58
3 - 2
Real Madrid
  • Robinho 14
  • Van Nistelrooy 71
Real Madrid
Emoção constante

"Sabíamos que tínhamos a oportunidade de transformar um sonho em realizada, mas não pensávamos que fosse assim." Thomas Schaaf

2007/08

• O Liverpool FC derrotou o Beşiktaş JK, por 8-0, em Anfield, na quarta jornada, naquela que é a vitória mais expressiva na história da competição. O rival interno dos "reds", Arsenal FC, goleara o SK Slavia Praha, na jornada anterior, por 7-0.

 

• Aos 43 anos e 253 dias, o guarda-redes da S.S. Lazio, Marco Ballotta, tornou-se no mais velho jogador a participar num encontro da UEFA Champions League, ao jogar todos os minutos na derrota, por 3-1, no terreno do Real Madrid CF, na sexta jornada da fase de grupos.

• O Manchester United FC derrotou o Barcelona, por 1-0, na segunda mão das meias-finais, naquela que foi a 12ª vitória consecutiva dos "red devils" em casa. No entanto, 13 seria o número do azar quando, na primeira jornada da época seguinte, foram travados pelo Villarreal CF.

 

Na liderança da Liga espanhola e a apenas um ponto dos oitavos-de-final, o Real Madrid CF foi surpreendido por uma exibição do SV Werder Bremen cheia de energia e vigor.

A formação da Bundesliga precisava de vencer para manter vivas as esperanças de apuramento – como veio a mostrar. Explosivo desde o início, a vantagem do Bremen aos cinco minutos era a receita ideal. No entanto, foi preciso mais do que um pouco de sorte na sua concepção. A má recepção de Boubacar Sanogo, deixando a bola bater-lhe no ombro após um cruzamento de Clemens Fritz, colocou-a sem querer à disposição de Markus Rosenberg, que atirou contra o relvado, fazendo-a passar por cima de Iker Casillas.

Se esse lance foi pleno de sorte, o empate do Real foi rico em qualidade. Marcelo colocou a bola em Robinho que, bem aberto na esquerda, flectiu para o centro do terreno com uma subtil mudança de velocidade e rematou em arco para fora do alcance de Christian Vander.

Podia ter sido o início da recuperação do Real, impondo a sua autoridade, mas o Bremen não esteve pelos ajustes. De facto, a sua energia permaneceu intacta e mostrou toda a sua excelência no segundo golo.

Rosenberg foi o protagonista, ganhando a bola no seu próprio meio-campo, ultrapassando Fernando Gago e resistindo ao duelo com Christoph Metzelder, antes de cruzar com calma para o meio. O remate à meia-volta de Sanogo, de primeira, concluiu um belo lance de ataque.

De seguida, Ruud van Nistelrooy desperdiçou uma oportunidade flagrante para empatar e. quase dois minutos depois, assistiu com inveja à compostura exibida pelo Bremen e que de forma tão incaracterística lhe faltou. Daniel Jensen picou a bola por cima da defesa do Real e Aaron Hunt, no seu primeiro jogo depois de mais de seis meses de ausência, desviou-a para o fundo das redes à saída de Casillas, mostrando que quem sabe nunca esquece.

Van Nistelrooy mostrou o seu instinto goleador a 19 minutos do fim quando, numa fracção de segundo, apercebeu-se do adiantamento de Vander e fez-lhe um "chapéu". Mas faltou força ao Real, depois de ter sido devastado por uma magnífica exibição do Bremen, naquilo que o seu treinador, Thomas Schaaf, descreveu com uma "noite extraordinária".

Estrelas

  • Mertesacker

    Um esteio do clube e da selecção do seu país, Mertesacker foi parte integrante das selecções da Alemanha que conquistaram o terceiro lugar nos Mundiais de 2006 e de 2010, sendo ainda totalista na caminhada dos germânicos até à final do UEFA EURO 2008, onde perderam contra a Espanha. O imponente defesa-central sofreria outra desilusão no ano seguinte, na Taça UEFA, pelo SV Werder Bremen, mas conseguiu alguma consolação com o triunfo da sua equipa na Taça da Alemanha.

  • Van Nistelrooy

    Melhor marcador da UEFA Champions League em três ocasiões, o recorde de 12 golos de Van Nistelrooy numa só temporada da prova apenas foi igualado em 2010/11, por Lionel Messi. O ponta-de-lança holandês foi também o melhor marcador nas Ligas holandesa, inglesa e espanhola, tendo conquistado títulos de campeão ao serviço do PSV Eindhoven, Manchester United FC – no qual ingressou em Abril de 2001, numa transferência-recorde na altura - e Real Madrid CF.

  • Robinho

    Apesar de três temporadas - e dois títulos da Liga espanhola - no Real Madrid CF, Robinho acabou por causar mais impacto em 2008, com a transferência, por um recorde britânico de 40 milhões de euros, dos "merengues" para o Manchester United FC. Uma passagem de rendimento inconsistente por Inglaterra - pontuada com um empréstimo ao seu primeiro clube, o Santos FC - acabaria por levá-lo até ao AC Milan, onde brilharia ao ponto de ter ajudado o clube a conquistar o título italiano logo na sua primeira época.

O que aconteceu depois?

• O Real Madrid avança na prova como vencedor do Grupo C com um triunfo por 3-1 sobre a S.S. Lazio na sexta jornada, enquanto uma derrota por 3-0 no terreno do Olympiacos FC remeteu o Werder Bremen para o terceiro posto, assim transitando para a Taça UEFA.

• Os "merengues" perderam por um total de 4-2 contra a AS Roma nos oitavos-de-final, naquela que foi a quarta vez em seis épocas consecutivas em que a sua campanha terminaria na primeira ronda a eliminar. Em 2010/11, o Real Madrid chegou às meias-finais.

• O Real Madrid recuperou animicamente e conquistaria o 31º título de campeão espanhol com uma margem de oito pontos. Contudo, no final do ano, o técnico Bernd Schuster deixaria o clube, tendo, ainda em Dezembro, dado lugar a Juande Ramos.

• Robinho transferiu-se para o Manchester City FC no derradeiro dia do mercado de transferências de Verão, por uma verba-recorde de 40 milhões de euros para as Ilhas Britânicas, mas não conseguiu adaptar-se e, dois anos depois, ingressou no AC Milan.

• Jogador e treinador de um só clube, Thomas Schaaf conduziu o Werder Bremen à final da Taça UEFA de 2009, em Istambul, onde os alemães perderam por 2-1 no prolongamento ante os ucranianos do FC Shakhtar Donetsk.

 

Junte-se à conversa

  • © 1998-2014 UEFA . Todos os direitos reservados.
  • As palavras CHAMPIONS LEAGUE e UEFA CHAMPIONS LEAGUE, o logótipo e o troféu da UEFA Champions League e o logótipo da Final da UEFA Champions League estão protegidas por marcas registadas e/ou direitos de autor da UEFA. As referidas marcas registadas não podem ser utilizadas para qualquer fim comercial. A utilização do UEFA.com implica o seu acordo com os Termos e Condições, e com a Política de Privacidade.